segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

13 fatos sobre o Brasil revelados pelo WikiLeaks

http://pt.wikipedia.org/wiki/WikiLeaks





http://super.abril.com.br/blogs/superlistas/13-fatos-sobre-o-brasil-revelados-pelo-wikileaks/comment-page-2/#comment-2680

É convenientíssimo dizer que somos "desnecessariamente" paranoicos em defender nossas fronteiras, porque se algum dia resolvermos crer nesta hipótese, os EUA acabarão por tomar tudo de uma vez.
Começaram pelo Acre. Por que não concluir pelo Nordeste? Notem que eles escolhem exatamente as regiões mais esquecidas do Brasil: esquecidas não apenas pelo próprio povo, mas também pelo Governo brasileiro.
E, é fato, o Brasil não conhece o Norte nem o Nordeste: o Brasil não conhece o Brasil. O País é enorme; a população, de um modo geral, não tem renda para viajar e conhecer sua Nação (além do Turismo no Brasil não ser nada viável financeiramente); a Educação é precária (a maioria em peso não sabe sequer quantos Estados temos), fazendo com que o brasileiro seja cada vez mais desinformado, apolítico, inconsciente sobre a necessidade de cidadania (lembro de uma vez ter mencionado no Espírito Santo, minha terra natal, que eu morava no Pará e ter recebido de volta o comentário: “Isso fica no Brasil?”).
Ainda jogamos lixo nas ruas e nossa maior fonte de cultura são revistas de fofoca: precisaremos de mais um milênio para entendermos algo de Política Territorial: é esperar muito de uma população que pede para afogar nordestinos na ilusão de melhorar determinado Estado brasileiro; ou que acredita que no Norte só tem mato e índio; ou que na Região Sul tudo é lindo e perfeito; ou que o Centro-Oeste só tem pântano e jacaré; ou mesmo que o Sudeste não precisa do restante do Brasil para nada.
Para boa parte do Brasil, Norte significa Floresta Amazônica e Índios e o Nordeste, praia e seca. Temos uma população numerosa e mestiça que desdenha de si mesma (paulistas que odeiam cariocas, amazonenses que odeiam paraenses, catarinenses que sentem nojo de negros, paraenses que odeiam maranhenses e por aí vai). Somos um povo pobre não só de conhecimento, mas também de alma, de patriotismo, de cidadania, de orgulho de ser o que somos: a mistura de todos os povos do mundo.
Será muito fácil tomar o Brasil: somos como a mulher mal-amada que costuma cair nas garras do primeiro cafajeste na esperança de receber uma mísera dose de atenção: após o desgraçado fartar-se, ele a abandonará e a jogará fora como se ela nada valesse.
Somos obrigados a votar em um bando de canalhas para fingirem que governam esse gigante País e ainda voltamos para casa com a sensação de dever cumprido: nesta última (tudo bem, admito, em todas as eleições presidenciais) não tínhamos um único candidato que merecesse ser eleito. Podíamos simplesmente não ter votado em nenhum. Mas, ao invés disso, o que fizemos? Especificamente em 2010, preferimos o peixe ao invés da vara para pescar e elegemos a continuidade da esmola: a população que trabalha sustenta não só aqueles que preferem viver com o mínimo em vez de buscar melhorar sua vida (seja em que aspecto for), mas também aqueles que, além de não fazerem nada, vivem com o máximo, ostentando nossos impostos. Já andam reivindicando até 14° salário, pasmem!

Não me surpreende em nada os escritos na matéria citada no site acima (cujo título é o mesmo desta postagem). Somos os maiores culpados por isso. Ou alguém está fazendo alguma coisa para mudar a situação?



Querem saber o que somos? Comecem lendo os comentários da matéria que gerou esta postagem (repito: o site está citado no início): observem os comentários, o modo de escrever, a falta de noção da maioria a respeito de tudo... é desesperador!

2 comentários:

  1. Falou tudo Alê, post digno de recomendação. Será o que vou fazer...

    ResponderEliminar
  2. Adivinhei! (risos) Abri o notebook assim que você enviou o comentário!
    Obrigada mais uma vez pela presença.
    Beijos!

    ResponderEliminar

Grata por registrar sua visita.