domingo, 12 de dezembro de 2010

Andre Agassi

http://globoesporte.globo.com/videos/esporte-espetacular/v/andre-agassi-fala-sobre-curiosidades-da-carreira-e-escola-que-mantem-nos-estados-unidos/1387523/



Não faço o tipo ligado a esportes, mas tendo um filho que gosta de Futebol e programas esportivos fica difícil não ver alguma coisa de vez em quando. E foi assim, por acaso, que dias atrás assisti no programa Esporte Espetacular a uma matéria de Thiago Asmar sobre o ex-tenista Andre Kirk Agassi. Gostei do que vi e ouvi. E foi então que me senti impelida a escrever.
Nascido em meio à aridez das terras de Las Vegas, Agassi deixou muito cedo sua terra natal para dedicar-se ao Tênis. Foi um dos seis tenistas a vencer os quatro torneios do Grand Slam e considerado por muitos o melhor tenista de todos os tempos. Mas, segundo o próprio Agassi, não se tornou um excelente jogador por amor ao esporte, mas por obediência paterna.

Em sua autobiografia recentemente lançada, Andre Agassi faz revelações inesperadas, desde o fato de jogar Tênis por obrigação até o uso de drogas na tentativa de enfrentar seus medos. Em seu livro e em recentes entreveistas, Agassi admite ter feito, muitas vezes, aquilo que os outros queriam que ele fizesse, dessa forma, desenvolvendo uma série de revoltas e frustrações. Admitir ter odiado o Tênis durante quase todo o tempo em que se dedicou a ele deixou chocada muita gente.


Livro Autobiográfico


Confesso que fiquei surpresa com as declarações do eterno tenista. E, ao conhecer a sua história, foi impossível não lembrar de Vincent Van Gogh. Outro gênio que, cheio de dificuldades de compreender o mundo ao seu redor e não menos cheio da necessidade de que também o compreendessem, levou uma vida abarrotada de fracassos em muitos aspectos. Fatos que sem dúvida contribuíram para que este pudesse deixar obras fantásticas, mas que também o sucumbiram o suficiente para  que ele chegasse ao ponto de arrancar a própria orelha e tempos depois a cometer suicídio.

É interessante como sempre endeusamos artistas, esportistas ou os famosos de um modo geral, acreditando que estejam acima de qualquer outro ser humano, considerando-os muita vezes imortais e acreditando que estes não enfrentem problemas como todo e qualquer ser humano.

Nem sempre fazemos bem alguma coisa porque amamos. Muitas vezes fazêmo-la excelentemente bem por pura raiva.

Ao saber um pouco sobre a vida de Agassi, pude entender que é sempre tempo de superarmos nossos traumas e frustrações ou de curarmos nossas doenças anímicas. E, nos conhecendo melhor, dar-nos a possibilidade de fazermos felizes a nós mesmos.




1 comentário:

  1. Legal Alê, Agassi é realmente um exemplo de que as pessoas que admiramos não estão acima do bem e do mal e que também passam por frustrações e medos. Agassi é o melhor exemplo disso....

    ResponderEliminar

Grata por registrar sua visita.