sábado, 12 de março de 2011

Holografia Universal






Mundos que, aos poucos, se vai descobrindo
Em narrativas verossímeis ou não.
Alegrias e tristezas divididas entre seres que nunca se viram.
Desejos transmitidos em caracteres que transpassam nuvens.
Corpo transformado em bytes alcançando incomensuráveis distâncias.
Sentimento transformado em palavras que se vão por teclas, cabos, vento, cortando a atmosfera.
Elétrons que se encontram dentro do real virtualismo humano.
Se formos seres compostos por partículas que aparecem e desaparecem, podemos simplesmente não existir, ou simultaneamente existir em vários lugares.
Podemos ser mera probabilidade, assim como o mundo virtual eletrônico, composto no ar da invisível rede que, em ondas, existe a nossa volta e sobre as nossas desatentas cabeças.
Se tudo a nossa volta pode ser uma holografia, isto significa que tudo que vivenciamos pode ser virtual... Mesmo não sendo via internet.






Encontrar um filme que me agrade em locadoras de cidades interioranas é algo realmente complicado. A preferência da maioria, nesses casos, é por filmes de ação que geralmente não têm conteúdo algum. Eu já estava sem esperança alguma quando, passeando pelas gôndolas da pequena locadora, eu, finalmente, me deparei com algo que poderia me agradar.








Então... Eis que no princípio de todos os princípios, era o nada. Sim... E o nada é não ter nem sequer nomenclatura para o fato. E o nada pululava de infinitas possibilidades... entre elas, você. E dentre tudo que posteriormente surgiu, atrele a isso a possibilidade de todas as realidades existirem simultaneamente. Impossível?

“Há uma possibilidade de que todos os potenciais existam lado a lado? Alguma vez você se viu através dos olhos da outra pessoa na qual você se transformou? E já olhou para si mesmo através dos olhos do observador supremo? Quem somos nós? De onde viemos? O que vamos fazer? E para onde estamos indo? Por que estamos aqui? O que é realidade?”

Quem Somos Nós trata-se de um filme que reuniu um grupo conceituado de cientistas de vários países que expõem suas teorias a respeito de Física Quântica. Uma área da Física que possui uma visão meio mística sobre o funcionamento do Universo, mas com a vantagem de não sair da linha de conhecimento científico.

Este documentário nos dá a possibilidade de entrar no mundo desta tão complicada vertente da Física, dando-nos uma noção básica e fazendo-nos questionar aquilo que, ingenuamente, chamamos de realidade.





Os discursos e explicações dos cientistas nos conscientizam de que não apenas nós, seres humanos, mas absolutamente tudo é feito das mesmas mínimas partículas que compõem qualquer coisa que pudermos visualizar no Universo. Seja vivo ou morto, planta ou pedra, água ou luz, tudo é composto por átomos e elétrons e quarks e fótons e pósitrons... Entre tantas outras mínimas partículas, mostrando que cada coisa não é apenas algo que compõe o Universo... Mas que cada coisa simplesmente traz todo o Universo em si mesma.





Talvez por tentar explicar a nossa existência é que os críticos digam que a Física Quântica mistura ciência e religião. Na verdade, a Física Quântica é um dos poucos conhecimentos que me dão uma explicação mais aceitável para fenômenos como: pensar em uma pessoa e de repente você receber um telefonema dela; terminar uma frase que o seu amigo começou ou mesmo vocês dizerem a mesma frase ao mesmo tempo; pressentir um acontecimento; chegar a um lugar que nunca esteve e ter a certeza de já ter passado por lá; achar que está vivenciando uma determinada situação mais de uma vez; e mesmo explicações para possibilidades como reencarnação ou a existência de dimensões variadas, bem como para o facto de que pessoas que você nunca viu, com as quais você só mantem contato pela Internet, possam tornar parte tão concreta em sua vida.





De que são feitos os pensamentos?

“Experimentos científicos demonstram que se você pega uma pessoa e conecta seu cérebro a um determinado tomógrafo, ou tecnologia computadorizada, e pede que ela olhe para certo objeto, determinadas áreas do cérebro se iluminam. Então, pede que a pessoa feche os olhos e imagine o mesmo objeto. Isso faz com que as mesmas áreas do cérebro se iluminem como se ele estivesse olhando visualmente para o objeto.”


Cientificamente, o cérebro não encontra diferença entre o que se vê e o que se pensa. Se você imagina uma situação, esta é considerada real pelo seu cérebro, mesmo que você não a tenha vivenciado. Portanto, tudo que se vivencia através dos encontros virtuais é notado pelo cérebro como real, dando ao corpo reações físicas e químicas, como se tudo estivesse acontecendo da forma como estamos acostumados (ou não), ao que chamamos de realidade.





"Nós criamos a realidade. Somos máquinas de produzir realidade. Criamos os efeitos de realidade o tempo todo. Se estamos ou não vivendo em uma grande realidade virtual, não podemos responder. Isso é um grande problema filosófico com o qual temos que lidar. Sobre o que a ciência tem a dizer sobre o nosso mundo? Porque, na ciência, somos sempre o observador. Portanto, estamos sempre restritos ao que entra por último em nosso cérebro. Então, é possível que tudo isso seja uma grande ilusão, da qual não temos como sair pra vermos o que realmente existe lá fora."


Somos criaturas compostas por elétrons que aparecem e desaparecem em milionésimos de segundos. Para onde eles vão? E, se eles vão, não iremos também nós? Se sumimos e reaparecemos em milionésimos de segundos, em quantos universos paralelos vivemos?


Após ler A Janela Visionária, de Amit Goswami, cheguei a conclusão de que é possível unir ciência e religião com o intuito de nos arrancar desse inconsciente coletivo e nos abrir portas para uma nova realidade. Uma realidade que nos explique o que nenhuma religião e nenhuma ciência, separadamente, até hoje conseguiu explicar: quem somos nós? E esse "nós" tem uma amplitude incomensurável...


Sim, eu sei, o assunto é extenso... afinal ele envolve tudo no Universo. Eu jamais conseguiria explicá-lo e eu nem o pretendia. A intenção aqui é instigar-lhe a ponto de lhe incomodar. Olhe a sua volta e perceba quantos fenômenos sem explicação povoam a sua vida. Desde o cair de uma folha em sua cabeça, o profetizar da chegada de uma visita, até as influências que a sua mente, que por estar todo o tempo ativa, acabam causando no seu dia a dia. Ou você acredita que virtual é apenas o que está na tela do seu computador?




"A Física Quântica está sujeita a toda uma série de hipóteses, pensamentos, sentimentos e intuições discutíveis sobre o que é que está acontecendo realmente. A questão é, até onde você quer descer pela 'toca do coelho'?"






4 comentários:

  1. Como sempre muito bem escrito e dito, vc sabe que sou seu fã, entao nem vou dizer ok? bjus

    ResponderEliminar
  2. Nem preciso dizer também que gostei da postagem, mas entendo bulhunfas de física quântica...kkk

    ResponderEliminar
  3. Carlos... obrigada pelo carinho e admiração.
    Beijos pra você...

    ResponderEliminar
  4. Olá, Renan... se houver interesse, basta procurar material sobre o assunto... e ler. Na Internet tem muitos! Na postagem tem alguns link's de acesso.
    Beijos...

    ResponderEliminar

Grata por registrar sua visita.