domingo, 8 de janeiro de 2012

Faz tempo que não te vejo no MSN...





A explicação pode estar aqui.


Sabe aqueles homens que gostam de ficar seduzindo as mulheres enquanto conversam? Aqueles que ficam te olhando com aquele "olhar de peixe morto", fingindo uma  paixão que não existe, ou mesmo com cara de pervertido disfarçado de palhaço? Aqueles que pedem para conversar com você no MSN e depois ficam com aquela conversinha sem jeito, repetindo milhões de vezes que o quanto você é bonita, que seu sorriso é lindo, que é muito bom poder te ver enquanto fala com você, etc, etc, etc. Mais um pouco e eles começam a insinuar o quanto seria interessante ver você por inteiro, já que ele só pode ver o seu rosto. Então eles te perguntam o que você está vestindo... sabe o que eles querem com você?
Nada além do seu corpinho.

Tem também aqueles que conversam com todos e ninguém ao mesmo tempo. Porque, fracamente, ninguém que queira ter uma conversa descente fala com mais de duas pessoas em comunicadores eletrônicos virtuais. É como atender dez celulares ao mesmo tempo... você nunca vai saber o que dizer e, quando diz, nunca sabe se foi para a pessoa certa. Então fica aquela situação estranha: você cumprimenta e depois de cinco minutos recebe uma resposta óbvia: "td bem e vc". A partir daí é melhor nem tentar um assunto mais complicado do que comentar o tempo porque, certamente, você vai ficar "digitando" para ninguém.

Um dos piores - e esses você descobre na primeira conversa - são os falsos intelectuais. Aqueles que falam imbecilidades o dia inteiro com os amigos, que são tão idiotas quanto eles, e, de uma hora para outra, querem parecer interessantes. Impossível, porque abóbora que se transforma em carruagem só mesmo em contos de fada. Então você vai suportando o festival de asneiras até você conseguir inventar uma desculpa para ir embora, ou seja, ficar offline para todo o sempre para aquela criatura que veio sem o senso do ridículo, pois esse deveria ser um produto que estava em falta no dia de seu nascimento.

E os apaixonados? Aqueles que nunca vão entender que você não vai ser a namorada deles simplesmente porque você não se apaixonou por eles assim como o contrário aconteceu. E não aconteceu por centenas de motivos: ele não é o seu tipo, suas químicas não combinam, a vida dele é diferente da sua, etc etc etc. Mas, por mais óbvio que seja para qualquer ser neste mundo, para o apaixonado é impossível compreender. Nada no universo conseguirá convencê-lo a desistir de te conquistar. Então ele insiste, insiste, insiste até que ele não pode mais insistir porque você cansou de dar explicações e o bloqueou no MSN.


Falo em homens porque com mulheres eu converso pouquíssimo. Para a maioria não vale a pena a perda de tempo, pois os temas são sempre os mesmos: o cabelo, o regime, a academia, comeu demais, engordou, o salão de beleza, a novela... enfim, coisas inúteis. Quando acontece de eu conversar com uma mulher, é porque ela, geralmente, ou é inteligente (já leu muito, fala facilmente sobre muitos assuntos), ou é madura (a sabedoria de quem já viveu bastante, isso é maravilhoso), ou é divertida (para isso a inteligência é fundamental, mas a idade pode variar muito).

Mas, eu devo dizer que já faz muito tempo que eu ando sem paciência para conversar com qualquer pessoa em comunicadores virtuais. Ultimamente isso tem se restringido a aprendizagem de idiomas e ainda assim eu continuo tendo problemas. Porque para aprender idiomas, antes, é preciso falar sobre vários assuntos. E para quem só quer te seduzir ou está "falando com Deus e o mundo" é impossível. Depois, para aprender idiomas é preciso conversar, falar, escrever bastante, e quem esta apaixonado geralmente não sabe fazer nada além de te olhar e dizer as mesmices de sempre. Mas os falsos intelectuais são os piores nos dois casos, tanto para ter um tema interessante quanto para falar bastante sobre ele.

O resultado disso é que eu, há mais de 3 anos, só entro no MSN (ou seja lá onde for) em modo invisível ou ocupado - em modo ocupado é muito raro, pois ninguém respeita status de comunicador virtual. E confesso que ter tomado essa atitude tem me garantido privacidade e proteção contra aqueles que nasceram desprovidos de desconfiômetro - coeficiente de desconfiança em relação ao senso de conveniência.

Mas é claro, não dá para dizer que eu nunca tenha me encaixado em algum exemplo desses algum dia na vida. É por isso que é sempre bom uma dose de desconfiômetro: se você não está disposto, não fique online. Se não tem assunto para conversar, leia, é o mínimo. Se você se apaixonou e não obteve dele ou dela nenhuma reciprocidade? É simples: se for possível tente mais um pouco, caso contrário, sofra e esqueça. Entenda que nem todas as mulheres e nem todos os homens estão disponíveis em comunicadores virtuais para namorar, para casar, para sexo virtual, por carência afetiva, por perversão ou para tirar a roupa - e se o fizeram alguma vez não significa que o farão cada vez que forem conversar com você. Seja educado e respeite o status das pessoas ou seja inteligente e, quando estiver ocupado, mostre isso para que as pessoas não se sintam como alguém que recebe uma porta na cara - sim, pois há aqueles que com um simples "oi", desaparecem como num passe de mágica, depois, muito cínicos, mandam uma mensagem pedindo desculpas e dizendo que estavam ocupados e não podiam te atender.

A educação, a gentileza, o bom senso, precisam compôr também o mundo virtual, pois ali também há vidas. São pessoas a digitar as letras que você lê, a pessoa que está do outro lado da câmera tem uma história incomensurável, boa parte dos que ali estão, está doando seu tempo, ou quer fazer amizades, quer conversar um pouco, quer se identificar, se fazer conhecer. De algum modo, entramos em suas vidas, compomos a sua história, às vezes agradamos outras vezes não. É preciso entender que escrever bobagens ou insistir em falar com alguém que te evita, é como ligar o som muito alto a ponto de incomodar o vizinho ou ligar muitas vezes para alguém que não quer atender suas ligações.


Quando vamos visitar alguém, não é de bom tom avisarmos antes para saber se esse alguém pode nos receber? Então, é mais ou menos isso. Quando cortejamos e não somos correspondidos, é possível perceber se podemos persistir mais um pouco ou devemos desistir. Ou quando conhecemos alguém que nos dá a impressão que sempre fomos amigos e formamos uma boa amizade a partir do primeiro encontro. O contrário também acontece, e pode ser que não gostemos do outro no primeiro olhar. É comum também falarmos com uma pessoa uma única vez e nunca mais voltarmos a fazer isso, como quando ajudamos alguém na rua e depois disso nunca mais o vimos de novo... é a vida que segue em qualquer dimensão que seja, ou no mundo que chamamos de real ou na World Wide Web (rede de alcance mundial). Onde quer que você esteja, faça estar presente também o seu coeficiente de desconfiança em relação ao senso de conveniência - o desconfiômetro - antes que as pessoas comecem a desaparecer de seu MSN, Skype, Busuu, Babbel, Facebook...




5 comentários:

  1. Maravilhosa você, nunca lí comentários tão inteligentes por parte de uma mulher. Excelenteee!!! É isso mesmo REALIDADE
    Stelma, orla da Bahia

    ResponderEliminar
  2. Obrigada!
    Mas... como assim "nunca lí comentários tão inteligentes por parte de uma mulher"??? :O

    ResponderEliminar
  3. Ainda não tinha lido este reparo. Está muito bom Alessandra. Parabéns!

    ResponderEliminar
  4. Pois... Obrigada. Mas eu conheço alguns que "vestiram a carapuça" e não gostaram nada. :P
    já notou que ando sem tempo algum, não é? Acho que na semana que vem melhora. Abraços, Rufino.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é! É uma carapuça que toca a todos, uns mais outros menos. Até eu acho que uma vez ou outra também me calhou um bocado a mim.
      Também eu esta semana estive afogado em trabalho. O que é preciso é que estejas bem Alessandra.
      Abraços.

      Eliminar

Grata por registrar sua visita.