segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Dessa água eu não bebo!



E um dia você sente tanta sede,
que não tem outra opção... beber!



Em torno de nove horas da manhã, dia normal de trabalho, entre correria e falta de tempo, eu e uma, até então, amiga e colega de trabalho conversávamos:

           - Oi. Bom dia. Muito ocupada aí? Quero te contar uma coisa...
         - Oi. Fala. Estou meio ocupada, mas ainda dá pra ouvir... vantagens de ser mulher (risos).
            - Estou namorando.
            - Jura? Desde quando?
            - Ah, sei lá... duas semanas, não sei.
            - Como ele é?
            - Parece legal, acho que deve ser bonito...
     - O quê? Acha? Parece? Como assim? Não tô entendendo nada...
            - Ele é de Portugal.
            - Portugal? E ta fazendo o que aqui? Férias?
       - Não, ele não está aqui... nos conhecemos pela Internet. Estamos namorando pelo MSN. Ontem aconteceu nosso primeiro beijo...
            - O quê? Você tá ficando louca? Namoro pela Internet? Primeiro beijo via MSN? Fala sério, criatura! Isso não faz o menor sentido...
      - Faz sim... pra mim faz. Eu tô completamente apaixonada.
            - Por alguém que nunca viu?
            - Já vi sim, por foto.
    - Foto?! Foto??? Não consigo conceber isso. Relacionamentos à distância já não funcionam, imagina relacionamento virtual? Olha, posso ser franca? Sai dessa, amiga, isso não tem futuro.
            - Poxa. Precisava ser tão dura? Eu tô gostando...
            - Me desculpe, mas eu acho que você ta se iludindo um pouco. Tô falando pro seu bem, tô começando a ficar preocupada com você.
            - Mas eu tô bem, tô feliz...
            - É? Até quando? Acha que vai aguentar ficar nessa situação por quanto tempo?
            - Mas a gente pode se conhecer de verdade...
            - Ei! Ele é de Portugal, criatura! Raciocina!
          - Tá! Tudo bem. Já entendi. Você não acredita que isso possa dar certo.
           - Só tô tentando te abrir os olhos pra uma coisa que pode acabar te machucando...
            - Tá. Tá bem. Depois conversamos. Já vou. Tchau.
            - Tá bem. Até mais.





Nesta conversa transcrita, eu sou a personagem incrédula. Eu era completamente descrente de relacionamentos virtuais e ridicularizava quem acreditava e perdia tempo com isso. Mas a vida e seus acontecimentos me surpreenderam... e continuam me surpreendendo todos os dias. Porque a vida, muitas vezes, nada mais é que uma caixa de Pandora... mas muitas vezes, é uma caixa de surpresas... e de boas surpresas.



2 comentários:

  1. A mi me gustaria hablar mucho con usted Alessandra usted es una mujer muy culta .

    ResponderEliminar

Grata por registrar sua visita.