terça-feira, 23 de outubro de 2012

Das pérolas encontradas - 5



Ah, Marx...
Se você vivesse nesses televisivos tempos,
Certamente você mudaria de ideia
Quanto ao que seria o ópio do povo.




A ignorância quase sempre me provoca pena, mas muitas vezes também me põe estupefata.
Não, eu não estou defendendo as novelas ou a alienante e famosa rede de TV que mais as produz e lucra com elas. Mas eu não posso evitar a indignação diante de manifestações como esta acima. A indignação por perceber que as pessoas que durante noites a fio se prostram diante de uma tela a esperar as cenas dos próximos capítulos de uma programação que emburrece, aliena e rouba do indivíduo a sua condição de ser social e político, são as mesmas pessoas que, sem tirar os olhos da mesma tela, a criticam de modo ingênuo e extremamente preconceituoso.

O fundamentalismo é sempre perigoso. Nas mais variadas situações pode provocar intolerância, segregação, rusga, destempero, histeria, ofensas... Desde aí até formar-se uma guerra em defesa dos fundamentos próprios não custa muito. E dentro da religião não é diferente.

Pode parecer absurdo, mas as minhas verdades, os meus dogmas não são nada além das verdades minhas e dos dogmas meus. E o outro ao meu lado não tem obrigação alguma de aceitar como sua a verdade minha ou como seu o dogma que eu escolhi crer e aceitar. Condenar o outro por não aceitar as minhas crenças e aquilo que eu tomei como verdade também me parece injusto. Afinal, a vida do outro não é minha. O melhor caminho para mim pode não atrair a um outro alguém e assim vai.

Somos diferentes um do outro e isso não deveria ser um problema. Muito provavelmente nos manteremos em guerra até que nos destruamos a todos em função de nossa intolerância e eterna vaidade que nos faz entrar em disputa para saber quem de nós é o melhor, o mais forte ou mais importante. É preciso encontrar dignidade o suficiente para nos abstermos dessa vaidade que faz com que desejemos a perseguição como forma de nos sentirmos superiores (é contraditório, é paradoxal, mas é assim que somos: sentimos um íntimo e inconsciente prazer em sermos perseguidos. Somos tão animicamente infantis que confundimos amor-próprio com autopiedade).

Não somos superiores a nada nem a ninguém (ver: Holografia universal). Estamos todos juntos em um mundo que não conhecemos, sem sabermos concretamente de onde viemos nem para onde vamos, buscando verdades que nunca nos certificaremos, ainda que nos matemos a todos.

Somos frágeis.
Temos as mesmas necessidades de sobrevivência.
Temos todos a mesma possibilidade de agora estarmos aqui e daqui a um segundo não mais.
Somos compostos da mesma substância.
Sem esse ar que poluímos e essa água que desperdiçamos morremos todos.
Mas preferimos nos agredir, medir forças, disputar posições de poder, nos desgastar com atitudes que não nos são positivas em nada.

Não é pelo São Jorge que não devemos dar importância a próxima novela (aliás, São Jorge está ligado à Igreja Católica e foi acrescentado ao Candomblé - assim como Santa Bárbara, entre outros santos - como um "disfarce" de seus deuses, porque os negros africanos eram impedidos pelos cristãos de praticar sua religiosidade). Nem se trata do facto de que não deveríamos assistir às novelas. Trata-se do facto de que a ausência do exercício do pensar, do filosofar, do conhecer (e isso envolve o conhecimento da verdadeira Arte, aquela nos humaniza), está fazendo com que estejamos dando importância demais ao que não tem absolutamente importância alguma. Trata-se do facto de que aos poucos estamos na verdade involuindo, estamos fazendo o processo inverso daquilo que chamamos de vida, estamos pouco a pouco voltando às cavernas (ver: Assim caminha a Humanidade)... ao menos a de Platão já alcançamos.


Escrevo porque eu vivo.
Porque cada vez que escrevo
Eu provoco outro renascer de minha alma.
Porque se eu não escrevo, eu morro.






6 comentários:

  1. Está nuito bom este "reparo" Aless. Só não consigo entender o "contexto", talvez por nunca ter reparado em mim tal sentimento assim contextualizado,quando diz:"...para nos abstermos dessa vaidade que faz com que desejemos a perseguição como forma de nos sentirmos superiores (é contraditório, é paradoxal, mas é assim que somos: sentimos um íntimo e inconsciente prazer em sermos perseguidos. Somos tão animicamente infantis que confundimos amor-próprio com autopiedade)."?!

    ResponderEliminar
  2. Olá, Porfírio. Como vai?
    Bem, como me disse alguém um dia: "eu sou um fusca com motor de avião". Minha mente trabalha mais rápido do que o desenvolver da minha capacidade de explicar o que penso. Então, vamos à tentativa:

    Nossa maior fonte de sofrimento são os nossos desejos. Um dos maiores de nossos desejos é o de querer estar certos o tempo todo. O desejo de querer ter as nossas verdades aceitas nos atrai à perseguição. O ato de sermos perseguidos nos torna mais crentes em nossas verdades. Gostamos da perseguição porque confundimos amor-próprio com autopiedade. Temos uma tendência a nos fazermos de vítima para recebermos atenção e apoio. Desse modo conseguimos o que queremos (às vezes). A perseguição nos vitimiza e nos aproveitamos disso para sermos o tal "lobo em pele de cordeiro", prontos para atacar. Somos seres que nascem cheios de traumas e passamos a vida em função deles.
    Perseguidos são, geralmente, futuros perseguidores. Foi assim com o Cristianismo: veja só quantos protestantes existem hoje em dia a dizer-nos como devemos viver, o que é pecado ou o que deixa de ser, quem é digno de um suposto improvável paraíso ou quem irá passar a eternidade em um lugar chamado por eles de inferno. Pobres povos ditos não civilizados que têm suas aldeias invadidas por missionários cristãos a trazer-lhes, além de doenças, a bíblia e a promessa de uma suposta salvação caso eles deixem de crer naquilo que a centenas de anos seus ancestrais acreditam. É o cúmulo do egoísmo e da prepotência essa destruição de culturas em massa em prol de um deus imposto pelos romanos por interesse puramente político e econômico.
    Foi assim com o Nazismo: veja o que o perseguido Hitler, ao acreditar-se raça superior, provocou: por ser condenado e combatido pelo mundo por seus pensamentos racistas, perseguiu povos chamados por ele de inferiores, desse modo mudando para sempre a história principalmente dos judeus.
    Assim está a dar-se com o Judaísmo: ao considerarem-se o povo mais perseguido do Planeta, os judeus, em função de suas crenças, há décadas estão determinados a exterminar os palestinos da face da Terra.
    Onde vamos parar com a nossa extrema vaidade? Essa vaidade absurda de querer ser superior o tempo inteiro, como se tal ato fosse possível, como se atitudes assim coubessem em um mundo onde absolutamente tudo está ligado. Onde todos dependem de todos para continuar vivendo e sobrevivendo. Num mundo onde o simples levantar de um dedo é o suficiente para interferir no emanar de luz da estrela mais próxima.

    Abraços, Porfírio. Espero não ter-te confundido ainda mais. :P
    Obrigada pela visita. :)

    ResponderEliminar
  3. Gostei também do esclarecimento Aless! Mas, depois de reler, devo dizer-te que não conseguiste “confundir-me ainda mais”. E ainda tive o bónus de saber que és “uma fusca com motor de avião”. Assim, para te agarrar, basta esperar por ti na próxima volta.
    Em geral, comungo a tua visão da comédia humana, e acompanho-te na tua causticada revolta.
    Concordo também que a nossa maior fonte de sofrimento são os nossos desejos (a começar pelos mais básicos à sobrevivência e reprodução), questão já teoricamente aprofundada e exercitada nas filosofias antigas, na grega e na hindu, das mais conhecidas. Eu próprio já tenho procurado seguir esse ensinamento, por vezes com anestesiantes resultados.
    Também concordo que um dos nossos maiores desejos é estar-mos certos o tempo todo. Eu até me atrevo a arriscar que talvez seja esse o nosso principal desejo. Aliás António Damásio (neurocirurgião, investigador, escritor..) concluiu que 80% do cérebro humano (o círculo de maior dimensão) tem como principal função autojustificarmo-nos! Ou seja, usamos 80% das nossas capacidades e tempo, a tentar demonstrar aos outros a certeza justificada de assim sermos e actuarmos. Daqui até ao desvario tolo e à intolerância vai um passo.
    Mas adquirida esta consciência, apesar da margem que sobra ser de 1 contra 4, muita coisa podemos e devemos fazer, connosco e com os outros. Contra a ordem das turbas e seus líderes, amorais, ignorantes, alienadas, intolerantes, opressivas e destruidoras, que se munem para o efeito de bandeiras políticas (tão e eficazes até à escravidão e ao aniquilamento humano), ou de dogmas religiosos (alguns tão tolos até ao riso – a propósito disto, apetece-me escrever qualquer coisa sobre o subido papel da mulher na sociedade fundamentalista islâmica, vamos a ver se para a semana tenho tempo).

    Por hoje fico-me por aqui. Um abraço solidário de pelo menos 10 segundos…

    Sempre Porfírio.

    ResponderEliminar
  4. Uhaaaaauhahauhuahua!! :D Na próxima volta?? :P
    Um abraço a você também, Porfírio!!! \o/
    Obrigada pelo carinho e pelo maravilhoso comentário!!! :)

    ResponderEliminar
  5. concordo com essa imagem por que na verdade...são jorge na catolica, ogum no candomblé...
    onde ali na verdade só existe espiritos de demônios por tras dessas imagens de esculta...ele quiz dizer por que salve jorge quer dizer VIVA JORGE traduzindo VIVA SATANÁS...
    "Não se voltem para os ídolos nem façam para vocês deuses de metal. Eu sou o ­Senhor, o Deus de vocês.
    Levítico 19:4
    Os ídolos deles, de prata e ouro, são feitos por mãos humanas. Têm boca, mas não podem falar; olhos, mas não podem ver; têm ouvidos, mas não podem ouvir; nariz, mas não podem sentir cheiro; têm mãos, mas nada podem apalpar; pés, mas não podem andar; e não emitem som algum com a garganta. Tornem-se como eles aqueles que os fazem e todos os que neles confiam.
    Salmos 115:4-8
    "Não terás outros deuses além de mim. "Não farás para ti nenhum ídolo, ne­nhuma imagem de qualquer coisa no céu, na terra, ou nas águas debaixo da terra.
    Êxodo 20:3-4
    DIZENDO-SE,SÁBIOS tornaram-se loucos e trocaram a glória do Deus imortal por imagens feitas segundo a semelhança do homem mortal, bem como de pássaros, quadrúpedes e répteis.
    Romanos 1:22-23

    EXISTE SOMENTE JESUS QUE MORREU POR NÓS E NOSSO PAI CRIADOR O RESTO É DEMÔNIOS....ELE É VESTIDO DE CORDEIRO MAS DENTRO É LOBO...SE EL CHEGASE E FALASSE==SOU O DIABO ME SIGA QUE VOU TE LEVAR PRO INFERNO TORMENTO ETERNO
    QUEM IRIA:?
    ENTÃO CRIOU ESSAS COISAS ABOMINAVEIS PARA AS PESSOAS CREREM EM UM DEUS QUE NAO PODE SALVAR...(AI MAS DEUS SABE QUE EU NÃO PENSO MALDADE QUANDO ORO PRA VIRGEM MARIA)
    DEUS TBM SABE QUE VC SABE LER EM VEZ DE FIK 4 HORAS NO FACE DEVEMOS LER A BIBLIA..

    ResponderEliminar
  6. Olá, Anônimo. Você deve ser o mesmo anônimo que comentou a postagem "Das pérolas Encontradas 2", certo?

    Bem, eu acredito que você não entendeu nada do meu texto nesta postagem porque o seu comentário ficou sem sentido, então eu só vou te agradecer a visita e o comentário.

    P.S.: A propósito, não sei nada dessa história de 4 horas no Facebook. Baseada no facto de que você não tem absolutamente nada a ver com a vida íntima das pessoas, não é considerado pecado um cristão fazer julgamentos? Você é um cristão, certo? OK...

    Um abraço, Anônimo. Felicidades. Mais uma vez, obrigada pela visita. :)

    ResponderEliminar

Grata por registrar sua visita.