sábado, 13 de abril de 2013

Do pesado fardo que é o ato de amar...






Grenade (granada)



Easy come, easy go  (Vem fácil, vai fácil)

That's just how you live, oh (É assim que você vive, oh)
Take, take, take it all  (Aceita, aceita, aceita com tudo)
But you never give  (Mas você nunca compartilha)

Should've known you was trouble (Eu deveria saber que você era um problema)
From the first kiss (Desde o primeiro beijo)
Had your eyes wide open (Estava com os olhos bem abertos)
Why were they open? (Por que estavam abertos?)

Gave you all I had (Te dei tudo que eu tinha)
And you tossed it in the trash (E você jogou no lixo)
You tossed it in the trash, you did (Jogou no lixo, sim)

To give me all your love (Pra me dar todo o seu amor)
Is all I ever asked 'cause (É tudo que eu sempre te pedi, porque )
What you don't understand is (O que você não entende é que)

I'd catch a grenade for ya (Eu pegaria uma granada por você)
Throw my hand on a blade for ya (Colocaria minha mão numa lâmina por você)
I'd jump in front of a train for ya (Pularia na frente de um trem por você)
You know I'd do anything for ya (Sabe que eu faria qualquer coisa por você)

Oh oh, I would go through all of this pain (Oh oh, eu passaria por todo esse sofrimento)
Take a bullet straight through my brain (Levaria um tiro bem no meu cérebro)
Yes, I would die for you, baby (Sim, eu morreria por você, amor)
But you won't do the same (Mas você não faria o mesmo)

No, no no (Não, não, não)

Black, black, black and blue (Luto, luto, luto e tristeza)
Beat me 'til I'm numb (Me atingem até que perco os sentidos)
Tell the devil I said "hey" (Diga ao diabo que mandei lembranças)
When you get back to where you're from (Quando você voltar pro lugar de onde veio)

Mad woman, bad woman (Mulher louca, mulher ruim)
That's just what you are (É isso que você é)
Yeah, you'll smile in my face (É, você sorri na minha cara)
Then rip the brakes out my car (E então destrói os freios do meu carro)

Gave you all I had (Te dei tudo que eu tinha)
And you tossed it in the trash (E você jogou no lixo)
You tossed it in the trash, you did! (Jogou no lixo, sim!) 

To give me all your love (Pra me dar todo o seu amor)
Is all I ever asked 'cause (É tudo que eu sempre te pedi, porque )
What you don't understand is (O que você não entende é que)

I'd catch a grenade for ya (Eu pegaria uma granada por você)
Throw my hand on a blade for ya (Colocaria minha mão numa lâmina por você)
I'd jump in front of a train for ya (Pularia na frente de um trem por você)
You know I'd do anything for ya (Sabe que eu faria qualquer coisa por você)

Oh oh, I would go through all of this pain (Oh oh, eu passaria por todo esse sofrimento)
Take a bullet straight through my brain (Levaria um tiro bem no meu cérebro)
Yes, I would die for you, baby (Sim, eu morreria por você, amor)
But you won't do the same (Mas você não faria o mesmo)

If my body was on fire (Se meu corpo estivesse pegando fogo)
Oh, you'd watch me burn down in flames (Oh, você me olharia até que as chamas me consumissem)
You said you loved me, you're a liar (Você dizia que me amava, é uma mentirosa)
'Cause you never, ever, ever did baby (Porque nunca, nunca, nunca amou, querida)

But darling, I'd still catch a grenade for ya (Mas, linda, eu ainda assim pegaria uma granada por você)
Throw my hand on a blade for ya (Colocaria minha mão numa lâmina por você)
I'd jump in front of a train for ya (Pularia na frente de um trem por você)
You know I'd do anything for ya (Sabe que eu faria qualquer coisa por você)


Oh oh, I would go through all of this pain (Oh oh, eu passaria por todo esse sofrimento)

Take a bullet straight through my brain (Levaria um tiro bem no meu cérebro)

Yes, I would die for you, baby (Sim, eu morreria por você, amor)

But you won't do the same (Mas você não faria o mesmo)

No, you won't do the same (Não, não faria o mesmo)
You wouldn't do the same (Você não faria o mesmo)
Oh, you'd never do the same (Oh, nunca faria o mesmo)
Oh, no no no (Oh, não não não)



Ouça a música:


Veja o vídeo:


Exageros à parte - já que, em sã consciência, eu jamais enfrentaria um trem ou uma bala na cara por alguém -, a música do Bruno Mars consegue retratar muito bem alguns dos nossos sentimentos quando terminamos uma relação amorosa. Pois, se nos parece exagero quando ele diz "yes, I would die for you, baby" (sim, eu morreria por você, amor), isto ocorre porque não analisamos que é exatamente isso o que, aos poucos, vamos nos fazendo, quando nos deparamos sem a presença do objeto amado. Ou seja, queremos nos matar.

Ah, não??
É exagero???
Muito bem, vamos então aos sintomas.


Um dos mais claros indícios de tentativa de suicídio inconsciente é o ato de deixar de comer. E não é que a fome tenha deixado de existir. Pois o seu estômago reclama, a comida pode estar ali, pode ser o seu prato preferido, pode ser a sobremesa mais deliciosa, mas você simplesmente não consegue comer.  E se ocorre ao contrário, ou seja, se você passa a comer muito, isso nada mais é do que a tentativa inconsciente de querer matar-se de tanto comer. O que você quer??? Você quer morrer!!!

Graças ao fato de que os seus pensamentos passaram a ser todos do objeto amado, você caminha pelas ruas sem o menor cuidado com o trânsito. Atravessa sem olhar para nada nem ninguém. Os carros nem são notados por você. Sinalização e nada são vistos como a mesma coisa no estado calamitoso no qual você se encontra. E andar assim pelas ruas hoje em dia, com esse trânsito caótico, caracteriza-se no mínimo como tentativa de suicídio. O que você quer??? Você quer morrer!!!

Dormir está difícil. Pois o objeto amado é seu primeiro e último pensamento. E você tem perdido tantas horas de sono que já se sente um zumbi, porque, afinal de contas, apesar de você não dormir, a vida segue: trabalho, banho, comer (ah! Por dios!), pessoas, compromissos, responsabilidades. E você dormindo pouco. Você dorme tarde e acorda cedo, mas, se pudesse optar, você escolheria não querer nunca mais acordar, não encarar a vida real, você escolheria não abrir mais os olhos e não se deparar com a sua nova realidade. O que é que você quer??? Você quer morrer!!!

E nem citei o facto de que nada mais tem importância ou valor. As piadas já não são tão engraçadas, a companhia dos seus amigos se tornou muito menos interessante, a sobremesa não é doce o bastante, estar lá fora te aterroriza, porque você fica numa corda bamba infeliz, entre o medo de ver a criatura e a agonia desesperada de não poder mais vê-la, tocá-la, dar a ela todo o amor que te vai na alma. O mundo não tem mais nenhuma graça, porque a ida de seu objeto amado tirou dele todas as cores. Nada mais no mundo te atrai, porque ele simplesmente não faz mais nenhum sentido. O que é que você quer??? Você quer morrer!!!

Parece inacreditável! Mas é exatamente isso. Ainda que não nos matemos de facto, inconscientemente queremos morrer. E queremos morrer por muitos motivos: nos sentimos rejeitados, humilhados, abandonados, destroçados, melancólicos, solitários, impotentes, aleijados, quase paraplégicos. Olhamos para todos os nossos sentimentos como quem olha para um objeto raro, caro, lindo e inútil que infelizmente precisa ser jogado no lixo. E não nos conformamos com isso. Porque isso, de facto, é um ato muito pesado.

Carregar tudo isso é um fardo pesadíssimo. Ato de sacrifício que, aliás, foi muito bem retratado por Bruno Mars no vídeo, quando ele resolve, literalmente, carregar um piano. Observem o "carma" dele simbolizado no ato de carregar um instrumento caro, lindo, enorme, delicado, apesar de pesado, que precisava não só ser carregado, mas que, por seu valor, precisava também ser protegido. Um fardo pesadíssimo que você só carrega por causa do valor que você deu a ele. Mas foi só você quem deu!!!

Notem as pessoas em volta. Elas olham sem entender, completamente desacreditadas. Quase te gritando: 

Largue esse piano aí!!!
Tem tantos pianos pelo mundo à fora!
Abandone esse piano em qualquer lugar!
Pare de carregar isso!
Há outros até melhores do que esse!
Você vai se matar de tanto carregar isso!!!

Mas você segue carregando o fardo, mesmo sabendo que, se fosse o contrário, seu objeto amado te largaria em qualquer esquina (como, de facto, te largou), pois como diz a música: "No, you won't do the same/You wouldn't do the same" (Não, você não faria o mesmo/Você não faria o mesmo).

E, como se não bastasse que as outras pessoas te vejam, você faz questão de que o seu objeto amado te veja. Então você passa diante dele carregando o pesado fardo que é seu o ato de amar sozinho. Mostrando, esfregando na cara de seu objeto amado o quanto você está sofrendo. Pedindo, implorando a seu objeto amado que se ofereça para carregar esse sentimento lindo, caro e pesado junto com você. Mas ele se nega terminantemente...

Então lá vai você sozinho... A carregar o fardo enorme... Até que você entenda que coisas lindas, caras e únicas são jogadas fora todos os dias. Quando você finalmente perceber isso, terá que escolher entre jogar a si mesmo em frente a um trem ou abandonar o seu fardo nos trilhos.

Afinal, você precisa adquirir forças para carregar o próximo fardo... É, é fardo mesmo, porque amar não é fácil. É mais fácil e bom (melhor) quando acontece a dois, mas, de todo modo, amar exige uma série de responsabilidades, sacrifícios, capacidade de tomar decisões que nem todos estão habilitados a encarar. E, não, esse não será o último fardo. Outros virão. E é bom que outros venham. Quem sabe para o próximo você receba ajuda, se não por todo o caminho (que é aquilo que, de facto, todos desejamos), mas que seja ao menos por bons, felizes e longos quilômetros.


E a estrada era linda...
Dane-se o peso, o piano era maravilhoso...
E nós poderíamos ter feito tantas boas músicas juntos...




Escrevo porque através deste ato eu revivo (e sobrevivo).
A cada texto escrito
há um novo renascer de minha alma...
Se não escrevo,
eu morro.





2 comentários:

  1. Um terno e amigo abraço Assandra. Com a leve suspeita, se isso te pode de alguma forma reconfortar,de que talvez não estejas tão sózinha assim, no carrego do teu piano. E já agora, ri-te e come para a frente, isto no dia em que a Primavera irrompeu por aqui.

    ResponderEliminar
  2. Ao contrário, carrego-o sozinha e sei disso a duras penas. Mas a vantagem de se chegar ao fundo do poço é que, a partir daí, só há uma saída: pra cima.

    Obrigada pelo abraço. Outro pra você. ;)

    ResponderEliminar

Grata por registrar sua visita.